TODOS OS TEXTOS AQUI PUBLICADOS TEM SEUS DIREITOS AUTORAIS RESERVADOS, DE ACORDO COM A LEI 9610/98.

.

5 de jun de 2015

UM ROSTO NA MULTIDÃO

Procurei-te em cada rosto,
eu quis tanto te encontrar,
estavas guardado em mim,
continuo a te guardar...


Suely Ribella ©

30 de mai de 2015

NOITE AGITADA

Noite agitada.
Mil pensamentos.
Não passa a madrugada.
Cruéis tormentos.

Tudo complicado.
Política, religião.
Justiça, pecado.
Mente em confusão.

Silêncio lá fora.
O sono não vem.
O coração chora.
Estou sem ninguém.

Não aguento mais.
A luz se apagou.
Onde está minha paz?
O diabo levou.

Suely Ribella ©

25 de mai de 2015

PRECISO-TE

Eu preciso dos teus braços
para o meu corpo envolver,
quero teus beijos devassos,
e em teu corpo me perder.

Suely Ribella ©

20 de mai de 2015

ÍMPETO

E de repente, do nada,
um tesão quase incontrolável,
como se chamasses por mim,
e me dissesses
faz isso, faz aquilo,
como se fosse preciso,
como se eu não soubesse
o que gostas
e o que te dá prazer,
o que nos faz enlouquecer...

Suely Ribella ©

15 de mai de 2015

VITAL

Porque você existe eu continuo,
e busco cor onde não tem,
sorriso onde não alcanço,
e não canso, porque você existe.

Suely Ribella ©

10 de mai de 2015

(A)BRAÇOS...

Abro meus braços
para te abraçar,
e vou fechando,
me abraçando,
e, inevitavelmente,
choro ao abraçar
a mim mesma,
ao abraçar o ar...
Tanto te abraço
no vazio do espaço,
tanto abraço teu
perdido por aí,
em tentativas inúteis
do meu abraço...

Suely Ribella ©

5 de mai de 2015

CADÊ VOCÊ?

Cadê você, que não vejo?
Anda por onde, meu bem?
Vem aplacar meu desejo,
quero você, mais ninguém...
 

Suely Ribella ©

30 de abr de 2015

VOCÊ, PARECE QUE NÃO SEI...


Eu vou,
volto,
não me canso...
Eu vou,
volto,
não te deixo,
não te abandono,
não te esqueço...
Eu vou,
volto,
não sei por que,
ou melhor,
eu sei,
quem não sabe
é você...

Suely Ribella ©

25 de abr de 2015

AMANTE

Amante sou, e destemida,
sou amante apaixonada,

por meu amor encantada,

eu sou amante da vida...


Suely Ribella ©

20 de abr de 2015

SONHOS


Olho para trás
e vejo tantos sonhos...
Uns perderam-se
pelos caminhos
por onde a vida passou...
Outros
ainda seguem comigo...
Sonhos bons,
esperanças,
ilusões, venturas...

Sonhei, sonhava,
ainda sonho...

Ah, meus sonhos...
Sem eles,
o que seria de mim?

Suely Ribella ©

15 de abr de 2015

INSEPARÁVEL

Estou contigo,
mesmo se me deixas,
estás comigo,
mesmo se me abandonas...


Suely Ribella ©

10 de abr de 2015

VENTO QUE TE QUERO VENTO


Quando o vento vem,
deixo que me alcance,
quero que me envolva,
me faça carinhos,
então, fecho os olhos
e me entrego...
Ah, o vento,
se parece contigo...
vem quando quer,
me envolve, e vai...

Suely Ribella ©

5 de abr de 2015

CÂNTICOS

Que soem aos teus ouvidos,
qual cânticos de louvor,
os versos que te escrevo
falando do meu amor.


Suely Ribella © 


30 de mar de 2015

E AMANHECERÁ...

Amanhecerá sem que venhas
me iluminar, sorrir pra mim,
trazer-me o teu raro perfume...

Amanhecerá sem o teu canto,
não terei teus beijos, tuas mãos,
nem o teu corpo a bailar comigo...

Amanhecerá triste o dia.

Amanheceremos sem nós... 

Suely Ribella © 

25 de mar de 2015

PAIXÃO

A paixão me arrebatou,
não teve dó nem piedade,
pelo avesso me virou,
tirou minha sanidade... 
     
Suely Ribella © 

20 de mar de 2015

FELINO


Se pudesses ver
o que mudo diz o meu olhar,
se pudesses sentir
o que te faço
com meu pensamento,
se eu te pudesse ter,
as palavras não seriam
necessárias,
para entenderes
o quanto te amo...

Suely Ribella ©

15 de mar de 2015

ESSE TEMPO


O tempo,
inexoravelmente passa
e não perdoa,
e a gente passa
andando à toa...
O tempo,
não é seu, nem meu,
é de ninguém,
e a gente passa
sozinho ou com alguém...
O tempo,
a gente passa jogando,
perdendo ou ganhando...
Mas, o tempo
melhor de todos,
a gente não passa,
é quando a gente ama,
e vive!

Suely Ribella ©

10 de mar de 2015

BENDITO AMOR



Amor,
bendito amor,
incansável amor
que canto,
infinito amor
que sinto,
inexplicável amor
que vivo.
Amor é a tradução
do teu nome,
amor és tu,
do jeito que és,
amor...

Suely Ribella ©

5 de mar de 2015

AMO-TE!

Não quero apenas teu corpo.
Quero teu pensamento,
teu coração, tua alma!
Quero-te todo, inteiro!


Suely Ribella ©

28 de fev de 2015

POR VEZES


Por vezes me dou conta
de quão inúteis
são as palavras
diante de ti...
por vezes silencio
porque penso
que tudo o que eu disser
será em vão...
por vezes sinto
que te faço tanto mal...
Por vezes, tantas,
queria ouvir tua voz...
Por vezes, infinitas,
queria-te comigo...
Por vezes, quase todas
as que penso em ti,
me emociono...
Por vezes, não queria
te amar assim, tanto...

Suely Ribella ©

24 de fev de 2015

LAÇO

O desejo me consome,
não só de beijo e abraço,
eu chamo pelo teu nome,
porque caí no teu laço.

Suely Ribella ©

15 de fev de 2015

MANHÃ DE DOMINGO...


O sol brilhando lá fora
nesta manhã tão linda...
Aqui dentro ouço música,
canções italianas,
que tanto me fazem sonhar...
Um vento brando entra
pelas janelas abertas...
O pensamento não para,
sai e vai longe,
entra, se inquieta,
vai e volta,
lembra, relembra...
Uma lágrima cai...
Come te non c’è nessuno...

Suely Ribella ©

10 de fev de 2015

PERDENDO E GANHANDO

Eu perco o rumo,
o juízo, a noção,
perco tudo de sensato,
perco o chão...
por causa de você...
 


Suely Ribella © 

5 de fev de 2015

DOMINGO, OUTRA VEZ

Em frente à tela do computador,
clico na pasta de Bethânia,
abro o jogo de paciência, 
e tento espairecer... 
A música vai tomando conta 
do ambiente, de mim, 
vou movimentando as cartas
quase automaticamente...
Mais um domingo
em que não estou sozinha...
tenho uma companhia
que aquece meu rosto, 
e põe na boca um gosto de sal...
Companheira de tantos dias,
já nem sei se é amiga ou inimiga,
a Saudade...  

Suely Ribella © 

30 de jan de 2015

SEM...

Sucumbo
sem sol,
sombra,
sossego,
sem sal,
sorvete,
sonhos.
Sou sapeca,
séria,
safada,
suave,
serena.
Sei sofrer
sorrindo.
Seu sumiço
sem sinais
sempre suscita
solidão,
suspiros
sofridos,
sacrifícios
sucessivos,
sérios suplícios,
semeia
silenciosa
saudade
sufocante. 

Suely Ribella ©

25 de jan de 2015

MANIA DE POESIA

Eu rimo contigo.
Tu rimas comigo.
A métrica se ajeita.
O ritmo é sensual.
A poesia é perfeita.

Suely Ribella ©





20 de jan de 2015

IMENSIDADE


Acomodo-me em teus braços,
dou-te o que posso e não posso,
o que devo e não devo,
o que sei e não sei...
Permito-te o que queres,
conheço tuas faces,
faço minha a tua lei...
Amamos sem pressa, sem calma,
num tempo só nosso,
desfrutamos da posse,
entregamo-nos ao abandono,
somos tudo e nada.

Suely Ribella ©

15 de jan de 2015

SABOR


Minha vida tem um sabor
de paixão, de amor...
Minha vida tem um sabor
de aventuras,
de doces loucuras...
Minha vida tem um sabor
de gostosas sensações,
de emoções...
Minha vida tem um sabor
muito bom, delicioso...
Minha vida tem sabor...
de você!

Suely Ribella ©

10 de jan de 2015

LÁ VEM MEU TREM

Lá vem meu trem,
acelera coração!
Vou subir depressa
no primeiro vagão,
tomar um lugar,
sentar, ir em pé.
Vagão, não, ora essa!
Do meu trem sou maquinista, 
vou à frente, vou contente,
seguindo trilhos afora!
Demorou, chegou a hora,
o meu rumo já é certo,
com muita tranquilidade,
só paro na estação
azul da felicidade.

Suely Ribella ©

5 de jan de 2015

CERTO X ERRADO

Não me preocupo mais
com o certo e o errado,
agora permito-me ficar

com o que me faz bem.


Suely Ribella ©

30 de dez de 2014

HUMANIDADE

Um mundo de sorrisos e alegria,
sem vícios, sem doenças, sem maldade,
sem falta de afeto e compreensão...

Um mundo sem carências, sem inveja,
sem esmolas, sem migalhas, só fartura,
sem guerras, sem violência, só de amor.

Criei um mundo louco, impossível.

Meu mundo só ficou na fantasia.

Suely Ribella ©

25 de dez de 2014

MEUS NATAIS

Natais
sempre iguais,
atitudes formais,
alegrias irreais,
desejos surreais...
Natais
de abraços apertados,
presentes trocados,
ais suspirados,
corações separados...
Natais
sombrios,
vazios,
frios,
só os olhos quentes
de lágrimas...
Natais
sem você...

Suely Ribella ©

20 de dez de 2014

NÃO TEM HORA


Você na minha mente,
atrevidamente,
nem chamei...
Você sempre vem,
faz bem,
às vezes, não,
machuca o coração,
não consigo expulsar,
mandar
embora,
você não tem hora,
chega e vai ficando,
ficando,
depois vai,
pra voltar
não sei quando,
de repente,
sem demora,
eu não tenho hora
pra querer,
chamar
por você...

Suely Ribella ©

15 de dez de 2014

RESIGNAÇÃO

Esse cinza,
essa falta de cor,
meu amor,
esse nublado
em nossos dias
sem alegrias,
por vezes passa,
sabemos,
e vivemos...
mas volta
ao nosso peito,
não tem jeito
essa amargura,
insatisfação,
inquietação,
e sob sorrisos
escondemos,
e vivemos...

Suely Ribella ©