TODOS OS TEXTOS AQUI PUBLICADOS TEM SEUS DIREITOS AUTORAIS RESERVADOS,
DE ACORDO COM A LEI 9610/98.



15 de set de 2019

SETEMBRO

Que diferença pode fazer
ser domingo ou não ser?
Setembro chegou!
Todo dia, todo mês
deveria ser de alegria...
Nunca dividi
um domingo contigo,
o destino não quis...
Setembro... ah,
um  reencontro
entre risos, lembranças,
carinhos, emoções...
ah, setembro...
de frio, chuva... e calor...
setembro da primavera,
das flores... dos botões...
dos olhos castanhos,
teus, meus,
dos desejos contidos...
ah, meu amor...

Suely Ribella ©

30 de ago de 2019

BOA NOITE!


Vai dormir?!
Sonha comigo!
Mas sonha bonito!
Sonha gostoso!
E quando acordar,
me dá um presente:
acorda contente,
com muita saudade,
com muita vontade...
de mim!
Eu estou aqui
todinha
pra você!

Suely Ribella ©

15 de ago de 2019

RESIGNAÇÃO

Esse cinza,
essa falta de cor,
meu amor,
esse nublado
em nossos dias
sem alegrias,
por vezes passa,
sabemos,
e vivemos...
mas volta
ao nosso peito,
não tem jeito
essa amargura,
insatisfação,
inquietação,
e sob sorrisos
escondemos,
e vivemos...

Suely Ribella ©

30 de jul de 2019

VULNERABILIDADE

Surges, e o corpo
se me arrepia,
leve tremor, paixão,
teu beijo quente
me tira o chão,
em meu seio
sinto o calor
da tua mão,
teu corpo estremece,
tesão,
minha fragilidade
carente,
tua virilidade
ardente,
explosão!

Vulneráveis,
incontroláveis,
exaustos,
faustos,
plenos...

Suely Ribella ©

15 de jul de 2019

DECLARAÇÃO


 

Com amor,
até o meu fim
tu terás
versos meus, de amor...
E somarás
amor, sonho e saudade,
e lembrarás,
com risos e lágrimas,
da vida
que não pudemos ter
e sonhamos...

Suely Ribella ©

30 de jun de 2019

ALERTA

Sem argumentos,
a razão arrisca,
segue o coração,
enfrenta o perigo.
A consciência
ordena viver,
o pensamento
não quer
aceitar fraquezas,
covardia.
Não dá para fugir,
nem lutar contra.
A vida está ali,
ao alcance.
Por que deixar-se
morrer?

Suely Ribella ©

15 de jun de 2019

SOMOS SONHOS

Sentimos,
suspiramos,
sonhamos,
sorrimos...
Sozinhos,
sem sossego,
silenciosamente,
sofremos...
Somos sonhos...

Suely Ribella ©

30 de mai de 2019

JUNHO

O inverno se aproxima. Mas, ainda é outono,
minha estação preferida.
(Nasci no outono, será por isso?)
Observo, da janela, o tempo, o céu,
o que meus olhos alcançam...
e nesse observar, a memória traz
outros outonos, outros dias...
Quantas lembranças!... e entre todas,
sem dúvida, a mais bonita:
o teu nascimento, meu filho!
Naquele momento eu senti
que nunca mais estaria sozinha.
A cada vez que você olhava pra mim,
eu ia entendendo mais e mais
o que era o amor, o amor verdadeiro.
O tempo foi passando... várias fases...
a criança, o adolescente, o adulto...
o estudo, a música, o trabalho,
mais estudo, mais trabalho
e a música sempre presente...
É junho, outra vez...
está chegando o dia do teu aniversário...

Somos outonais.
Somos únicos,
cada qual no seu jeito de ser.
Somos dois, música e poesia,
e somos um,
um pelo outro, sempre.  

Suely Ribella ©

15 de mai de 2019

VELHICE













O descobrir da vida em fim,
marcas no corpo, a pele fina,
veias à mostra, rugas, dores...

Faltaram carinhos, toques,
vozes, ouvidos, presenças,
olhares... nós nos faltamos...

O coração amou, amou...

O tempo não se importou...

Suely Ribella ©

30 de abr de 2019

MAIO


Mais um maio,
não conto quantos,
já são tantos...
Maio, meu mês... 
Mãe... Mulher... Menina...

Suely Ribella ©

15 de abr de 2019

EM QUALQUER LUGAR

Por onde fores,
por onde andares,
estarei contigo,
eu sei que sim.
Por onde eu for,
por onde andar,
estarás comigo,
tu sabes que sim. 

Suely Ribella ©

30 de mar de 2019

JOVEM CORAÇÃO

Envelhecemos,
e ainda consigo te olhar
com os olhos da primeira vez,
ainda sorrio, suspiro
e me emociono...
Formigam-me as mãos,
na impossibilidade de um toque,
um carinho, uma carícia...
Dói o coração,
espontâneas lágrimas
que eu mesma enxugo
turvam minha visão...
Sonho sonhos
confusos, abstratos,
delírios,
demência própria da idade
que avança,
paixão de um coração
que não envelheceu
porque sempre te amou,
nunca te esqueceu...

Suely Ribella ©

15 de mar de 2019

CIRCULANDO

O tempo,
sem nos dar tempo
para se fazer
o que a gente quer...
A gente,
indo adiante,
do jeito que a vida quer...
A vida
ignorando
o direito que a gente tem...
O Direito,
sem direito,
nos tirando
o tempo,
e a vida...

Suely Ribella ©

28 de fev de 2019

SEM...













Sucumbo
sem sol,
sombra,
sossego,
sem sal,
sorvete,
sonhos.
Sou sapeca,
séria,
safada,
suave,
serena.
Sei sofrer
sorrindo.
Seu sumiço
sem sinais
sempre suscita
solidão,
suspiros
sofridos,
sacrifícios
sucessivos,
sérios suplícios,
semeia
silenciosa
saudade
sufocante. 

Suely Ribella ©

14 de fev de 2019

IMENSIDADE



Acomodo-me em teus braços,
dou-te o que posso e não posso,
o que devo e não devo,
o que sei e não sei...
Permito-te o que queres,
conheço tuas faces,
faço minha a tua lei...
Amamos sem pressa, sem calma,
num tempo só nosso,
desfrutamos da posse,
entregamo-nos ao abandono,
somos tudo e nada.

Suely Ribella ©

30 de jan de 2019

MEIO

Meio assim,
meio assado,
meio certo,
meio errado,
meio reto,
meio torto,
meio vivo,
meio morto,
meio raso,
meio fundo,
meio nada,
meio mundo
tá no meio
do recreio
deste verso
meio a meio...

Suely Ribella ©